22 de setembro de 2012

Lista para confudir bixos (parte 1)

Uma das nossas maiores e mais inocentes diversões todo começo de ano é ver bixo ficando perdido com nossas ordens, utilizando palavras começadas com "dis-" ou "des-" no imperativo e som de "diz". Assim, eis uma pequena-mas-nem-tanto lista das começadas em DES- para que todos possam se divertir à custa dos outros. Noutro momento, coloco as com DIS. 

(PS: há boas chances de haver aqui palavras repetidas. Como são muitas, é um erro até que perdoável).

  • desvia
  • desmaia
  • despede
  • desencrava
  • desafia
  • desfila
  • despeja
  • despoja
  • desacata
  • desafoga
  • desbarata
  • desapega
  • descansa
  • descreve
  • deserta
  • deserda
  • desfaz
  • desiste
  • desliza
  • desmaia
  • desnuda
  • desossa
  • despedaça
  • despenca
  • despreza
  • destaca
  • desterra
  • destina
  • destroça
  • destrói
  • desaba
  • desabilita
  • desacerta
  • desalinha
  • desampara
  • desata
  • descalça
  • descreve
  • descuida
  • desempata
  • desenlaça
  • desfalca
  • desgraça
  • desmiola
  • desmata
  • desmanda
  • desperta
  • desvela
  • desabitua
  • desafora
  • desajuíza
  • desalinha
  • desarmoniza
  • destila
  • descarrilha
  • descreve
  • desespera
  • deselegância
  • desgrenha
  • descabela
  • desiste
  • desmembra
  • desfibrila
  • despede
  • despudora
  • destaca
  • desapega
  • desarmoniza
  • desatola
  • descamba
  • descarta
  • descarrega
  • descontenta
  • desdenha
  • desgruda
  • desmantela
  • despacha
  • desperdiça
  • desapropria
  • destorce
  • desumaniza
  • desabilita
  • desperta
  • desenrola
  • desconjura
  • descolore
  • desencrava
  • desemboca
  • desencobre
  • desconta
  • desenvolve
  • desfalece
  • desfralda
  • desidrata
  • desiguala
  • desmorona
  • desleixa
  • destrata
  • desestabiliza
  • desabafa
  • desacelera
  • desafina
  • desodoriza
  • desconhece
  • desembolsa
  • desmente
  • desemperra
  • desencalha
  • desengasga
  • desenrosca
  • desinfeta
  • desperdiça
  • desacostuma
  • desdenha
  • descentraliza
  • desencoraja
  • desfavorece
  • desambiguiza
  • desparafusa
  • despiroca
  • desautoriza
  • desencarna
  • descomplica
  • desembaralha
  • desemparelha
  • desencaderna
  • desenferruja
  • desinteressa
  • desmistifica
  • desvaloriza
  • desculpa
  • despreza

14 de junho de 2012

Hino da Xiguela pelo mundo

Todo bom xiguelense, formado, morador, agregado ou simpatizante, tem a obrigação moral de saber o hino completo em sua lingua materna (até agora, só o português). O que não quer dizer que não devemos internacionalizar a marca Xiguela, ensinando-o para moradores dos quatro cantos da esfera terrestre. Assim sendo, comecemos por algumas das línguas mais faladas no mundo:

Chinês

“我不知道它是好還是壞 (Wǒ bù zhīdào tā shì hào huán shì huài)
我只知道每次多 (
Wǒ zhǐ zhīdào tā shì měi cì duō)

Xiguela, Xiguela, Xiguela

我不知道如果它是向前或向後 (
Wǒ bù zhīdào, rúguǒ tā shì xiàng qián huò xiànghòu)
我只知道每次多 (Wǒ zhǐ zhīdào tā shì měi cì duō)

Xiguela, Xiguela, Xiguela


Francês

"Je ne sais pas si c'est mieux ou pire
Je sais seulement que c'est à chaque fois plus

Xiguela, Xiguela, Xiguela

Je ne sais pas si c'est avant ou en arrière
Je sais seulement que c'est à chaque fois plus
 

Xiguela, Xiguela, Xiguela "


Espanhol

"No sé si es mejor o peor
Sólo sé que es cada vez más

Xiguela, Xiguela, Xiguela

No sé si es hacia delante o hacia atrás
Sólo sé que es cada vez más
Xiguela, Xiguela, Xiguela "


Inglês

"I do not know if it's better or worse
I only know that it is each time more

Xiguela, Xiguela, Xiguela

I do not know if it is forward or backward
I only know that it is each time more

Xiguela, Xiguela, Xiguela"

Alemão

"Ich weiß nicht, ob es besser oder schlechter ist
Ich weiß nur, dass es jedes Mal mehr ist

Xiguela, Xiguela, Xiguela

Ich weiß nicht, ob es vorwärts oder rückwärts ist
Ich weiß nur, dass es jedes Mal mehr ist
 
Xiguela, Xiguela, Xiguela"

Não colocarei outras línguas por não fazer ideia de como pronunciá-las (o que tiraria parte da graça da coisa toda). Sendo essas um tanto fáceis, a obrigação dos novos bixos é aprendê-las.

27 de março de 2012

Em sala de aula (Bem-vindo 2012)

Faz tempo que não escrevo. Todavia, eu precisava descarregar a tensão de hoje.
Por sinal, tem outras coisas que pretendo escrever. Mas este início de doutorado está corrido.
Bom, abaixo vai meu relato sobre a aula que tive hoje.

--

Hoje fiquei puto.
Tava eu, sem maldade, na aula de História da África tendo uma discussão sobre um livro que não li.
Bom, muitas pessoas afirmam que não se pode ver a beleza de uma aula se você não lê o texto para ela. Minha experiência na UNESP diz que não é bem assim. E hoje foi a comprovação da minha experiência.
A aula discutiu o texto de uma tal de Appiah. Um cara nascido em Gana. O pai dele era Achante, um grupo ganês que detêm grande autoridade em Gana, ainda hoje em dia. Ele foi estudar em Londres e depois foi lecionar nos EUA. A história de muitos africanos endinheirados.
Bom, a discussão que ele propõe no livro dele é analisar o continente africano. Quebra com a visão reducionista da África como se fosse só um país. E, tbm, perceber as diferenças existentes entre as muitas partes e atuais países da África.
Ele debate com teorias de Pan-Africanismo. Para ele, apesar da importância que tiveram no contexto de descolonização, não é mais válido. Aliado ao texto, a professora trouxe o vídeo da Chimananda Adichie do TED. Acho que todos já viram isso. Ela é uma nigeriana que fala do "perigo da história única".
No meio da discussão do texto a professora fez um intervalo. Saí para tomar café acompanhado de outros integrantes da pós. Tem um café no andar de baixo. Fomos para lá.
Eis que a discussão começa. As pessoas que estavam comigo começaram a falar que o texto é inútil. Acham que a professora não consegue manter a discussão e começam a afirmar que não haviam percebido nenhuma qualidade no texto do Appiah. Foda!
Eu, defendendo o autor, falei que as vezes não há aplicação prática nas nossas pesquisas, mas isso não invalida a qualidade do texto. Pelo contrário, no meu entendimento, a discussão proposta pelo texto é atual, universal e profunda. Ainda que eu não tenha lido o texto.
A segunda parte da aula decorreu com uma discussão mais intensa e tão interessante quanto. O vídeo em questão é muito esclarecedor e abre a mente mesmo. Porém, pelos comentários feitos por estes colegas na sequência, ficou claro que eles não absorveram nada. Nem da discussão, nem do texto e menos do vídeo.
O que me leva a pensar: como pode ter gente obtusa fazendo doutorado?
Tá, sei que fazer doutorado não é significado de conhecimento absoluto. Sei também que as pessoas podem não ter interesse na disciplina. Mas eu esperava, pelo menos, que houvesse mente aberta por parte daqueles que se propõem a acompanhar um curso no doutorado.
Não sei se estou sendo preconceituoso, mas fiquei triste pela humanidade hoje! Hehe

19 de fevereiro de 2012

E 2012 começou...

Muito tempo que não escrevo nada aqui (ou que qualquer um o faz) e não tanto assim que queria escrever sobre esse início de 2012, mas sem acesso à internet em casa fica complicado. De qualquer forma, este ano começou exatamente como tinha planejado no meio de 2011. Falarei isso parte por parte.

Começar a dar aula no Estado

Como formado em História e com intenção de trabalhar com pesquisa no longo prazo, meu objetivo profissional era conseguir as aulas apenas durante a manhã, para ter a tarde livre e a noite pra fazer outra faculdade. Felizmente deu tudo certo, contando com a ajuda de uma professora que me cedeu duas turmas na manhã, deixando meu horário como eu gostaria que fosse. Mas dar aula não é fácil... Atualmente, acho lindo lembrar das aulas pedagógicas que tive na UNESP, das coisas que li e das que ouvi dos professores. Tenho quase certeza que nenhum deles pisou em uma escola pública de periferia. A questão é simples: o bagulho é louco, o processo é lento e pedagogia do oprimido é meu pau de havaianas. Só lá dentro pra saber como funciona a parada; se não tiver gosto pela coisa, não vale a pena ficar nisso por muito tempo.

Ir morar sozinho

Depois de 4 anos em Franca, morando em república e com uma liberdade absurda, ter passado 2011 na casa da minha avó foi foda. Não que tenha sido ruim, já que sempre tive bastante liberdade de ação, mas sempre há limitações, como não poder fazer festa em casa ou levar alguma garota pra dormir por lá. Como escolhi aulas em Campo Limpo Paulista, entre os objetivos estava me mudar e ir morar sozinho lá. Esse foi um objetivo até fácil.. depois de tomar posse das aulas, andei pela cidade e, entre as limitadas imobiliárias, achei uns lugares legais; no fim, terminei alugando um quarto perto da estação de trem pra facilitar minhas idas para São Paulo e vou para a escola de bicicleta (manter a forma é sempre bom). Só preciso terminar de organizar as coisas lá agora.

Entrar na USP

Embora esta escolha tenha sido bastante criticada por amigos, parentes e pessoas aleatórias, me decidi por prestar Letras na USP e estudar chinês, para unir a parte de História com a de língua, ao invés de entrar direto em um mestrado. Só poderei falar se escolhi bem futuramente, mas até agora não tenho do que reclamar. Conheci, entre veteranos e bixos, muita gente legal, bonita e com potencial para ser mais louco que o batimã. De qualquer forma, embora tenha pensado em estudar para o vestibular por um tempo, chegou um momento que, à Yao Ming, decidi que "foda-se, vou sem estudar".


Felizmente, sempre pude contar com a sorte na minha vida (ou sou mais foda do que esperava). Quando prestei UNESP, desencanei de estudar lá pelo meio do ano e passei direto, seguindo o conselho de um professor para tomar uma lata de cerveja antes da prova, pra relaxar; no concurso público pra professor, não li nada por estar ocupado com meu TCC-nota-9,8 e passei na segunda chamada, ganhando uma bolsa bem legal pra estudar pelo computador; e, pra fechar a trilogia, prestei a FUVEST seguindo a então tradição da cerveja antes da prova, sem estudar nada, e passei bem melhor do que esperava.

Basicamente, 2012 começou como eu planejei ano passado. Agora é só seguir em frente.

2 de janeiro de 2012

Para 2012

Novamente com Fight Club, mas dessa vez é com uma cena específica (e uma das melhores filme). Aqui, meu foco é o diálogo que tem início à partir dos 54 segundos.




"Guys, what would you wish you'd done before you died?"


Não pretendo fazer nenhum discurso ou sair dizendo minhas própria motivações e objetivos; isso não serveria para nada. Gostaria apenas que cada um que venha a ler isso aproveite esse clima de ano novo, de renovação e definição de novas metas, pare para pensar um pouco a esse respeito e se pergunte: "o que eu estou fazendo para alcançar isto?", "o que pode estar me atrapalhando?", "estou mais próximo desse objetivo do que há 3/6/9/12 meses atrás?".

Não quero que comentem quais seus objetivos nem nada (nem comigo nem com outros); apenas caminhem com ele em mente e esforcem-se para alcançá-lo.


Como mensagem de Ano Novo, deixo o seguinte (para meus amigos e para mim mesmo):
Não se contetem com a mediocridade. Sejam tão bons quanto sabem que podem ser; sejam GRANDES.

19 de dezembro de 2011

Welcome to Fight Club

"The first rule of Fight Club is: you do not talk about Fight Club. The second rule of Fight Club is: you DO NOT talk about Fight Club!"


"In Tyler We Trust"


Embora quebrando essas duas regras, Fight Club é meu filme favorito e está entre os melhores livros que já li. O título, no entanto, engana, já que a temática passa longe de ser sobre um clube da luta. Mas não é sobre isso que vou falar aqui, e nem sobre o livro ou filme; apenas vou apresentar alguns trailers que foram feitos somente para a internet e são pouco conhecidos.


Change Your Life



"You were looking for a way to change your life. You could not do this on your own. All the ways you wish you could be, that's me. I look like you want to look, I fuck like you want to fuck, I am smart, I am capable, and most importantly, I am free in all the ways that you are not."


Hell or Nothing



"If you could be either God's worst enemy or nothing, which would you choose? We're the middle children of history, we have no special purpose or place, and unless we get God's attention, we have no hope of damnation or redemption. Which is worse, hell or nothing? Burn the museums, wipe your ass with the Mona Lisa. This way, at least God will know your name."


Deliver Me



“Oh Tyler, rescue me. Deliver me. Deliver me from Swedish furniture. Deliver me from clever art. Deliver me from clear skin and perfect teeth. May I never be complete. May I never be content. May I never be perfect. I want you to hit me as hard as you can.”


I Know You



"I know you. You're a young guy with clear skin and perfect teeth and the kind of job you're proud to write the alumni association about. You're too young to have fought in any wars and if your parents weren't divorced, then your father was probably never at home. Maybe you really are thinking about some pain-free free-range potluck you went to last weekend or the Earth's depleted O-Zone or the desperate need to stop cruel product testing on animals, but probably not."


Pra quem não viu, compensa; mesmo que para dizer depois que não gostou. E quem não gostar está eliminado do Campeonato de Seres Humanos.

15 de dezembro de 2011

Da vida unespiana (em Franca)

Essa foi, até o momento, a coisa mais legal que já li sobre a vida unespiana. Apenas tive que fazer duas pequenas alterações, por o texto ter sido escrito por um aluno de RI e eu preferir voltá-lo à História (obviamente). Trata-se de uma adaptação do famoso "filtro solar", narrado pelo Pedro Bial, à nossa cotidianidade francana feita por um aluno da VII turma de RI (Felipe Galoro Alves , vulgo Shakira).



"Nunca deixem de tomar Engov!


Se eu pudesse dar só uma dica sobre a vida unespiana seria esta: Tomem Engov!

Os benefícios a curto prazo do uso de Engov contra a ressaca estão provados e comprovados pela ciência,

Já o resto de meus conselhos não tem outra base confiável além de minha própria experiência Unespiana.

Mas agora eu vou compartilhar esses conselhos com vocês...


Aproveite bem, o máximo que puder, a fartura e o custo baixo do RU.

Ou, então, esquece... Você nunca vai entender mesmo a fartura e o custo baixo do RU

até que esteja pagando R$ 25 pelo almoço na Paulista.

Mas pode crer que daqui a vinte anos você vai evocar a sua pilha de xerox,

E perceber de um jeito que você nem desconfia hoje em dia,

Quanto, tanto dinheiro você gastou com um punhado de papel que nem leu

E como você realmente nunca estava com tudo em dia,

E você não é mais um bixo ou uma bixete...


Preocupe-se com o futuro.

Ou então não se preocupe, se quiser, mas saiba que o Samel Park passa de meia em meia hora.

As encrencas de verdade em sua vida tendem a vir no meio da aula de Medieval,

E te pegam no ponto fraco às 23 horas em uma aula sem intervalo da Celeste.


Todo dia, enfrente pelo menos uma coisa que te meta medo de verdade: tente ser um pedestre em Franca


Corra no Pedrocão.


Não seja leviano com o sono diário de seu vizinho.

Não ature gente com horários regulares.

Use calcinha fio dental.


Não perca tempo em citar Bobbio.

Às vezes se usa Marx,

às vezes você cita Kant.

A lista é longa e, no fim,

é só você, Wikipédia e seu próprio migué.


Não esqueça das cantadas toscas que receber.

Esqueça os clichês.

Se conseguir isso, que bom pra você.

Guarde as antigas multas da Biblioteca.

Jogue fora tíquetes de RU não usados.


Levante-se do chão.


Não se sinta culpado por não saber o que aconteceu nos seus 100 dias

A maioria das pessoas que eu conheço não souberam nada depois do esquenta, nem ao menos as fantasias que estavam usando.

Alguns dos mais aplicados que eu conheço pereceram naquele dia.


Tome bastante Velho Barreiro.

Seja cuidadoso com o fígado.

Você vai sentir falta dele no dia seguinte.


Talvez você se forme no prazo, talvez não.

Talvez tenha todos os professores , talvez não.

Talvez seu TCC esteja pronto um mês antes, talvez tenha que correr até a gráfica para conseguir entregá-lo até as 17hs.


Faça o que fizer não se auto congratule demais pelo vestibular, nem seja severo demais por ter sido telebixo,

As suas escolhas dentro da faculdade tem sempre a ver com seus veteranos,

É assim para todo bixo.

Desfrute de seu primeiro ano use-o de toda maneira que puder, mesmo!!

Não tenha medo de seu apelido ou do que as outras pessoas possam achar dele,

É o mais incrível nome que você jamais vai possuir.


Dance na Carlinhos.

Mesmo que seja para pagar mico na frente da faculdade inteira.

Leia os clássicos de Política mesmo que não vá segui-los depois.

Não leia o Diário da Franca, ele só vão fazer você se sentir no meio de uma chacina.


Dedique-se a conhecer os funcionários da Graduação. É impossível prever quando você precisará entregar algum documento fora do prazo.

Seja legal com seus colegas de sala. Eles são a melhor fonte para conseguir a matéria do semestre e possivelmente quem vai assinar a lista de presença pra você.


Entenda que amigos podem ser nerds ou bêbados, mas nunca deixe os nerds faltarem ao inter e acorde os bêbados para a prova.

Esforce-se de verdade para ir naquela festa na véspera do seu seminário, porque quanto mais perdido você ficar,

Mais você vai precisar das pessoas que leram o texto.


More uma vez em São Paulo, mas vá embora antes de levar um pé na bunda de Trainee.

More uma vez em Franca, mas se mande antes de pegar sotaque.


Viaje de graça com a Unesp.


Aceite certas verdades inescapáveis:

Os preços no Eli vão subir, os professores vão saracotear, você também vai ficar desempregado.

E quando isso acontecer você vai fantasiar que quando era Universitário os salgados do Eli eram razoáveis, os professores eram comportados,

E os alunos respeitavam o horário do intervalo.

Respeite o horário do intervalo!!

E não espere que ninguém entre na sala antes de todas as fofocas serem ditas.

Talvez você arrume uma bolsa-pesquisa.

Talvez você tenha uma bolsa-pai, mas não esqueça que os dois de repente vão acabar.

Não coma demais na Estrela se não quando você chegar no 4º ano vai pesar 90 quilos.


Cuidado com o que comprar no Granero,

mas seja paciente com os hippies vendendo pulseirinha no centro.

Unespiano é uma forma de manter o entusiasmo pela vida toda .

Ser Unespiano é um jeito de viver sua vida intensamente, conhecer pessoas maravilhosas, ver seus amigos todos os dias e gritar o mais alto e sempre que puder “A USP não tem Interunesp!”.

Mas, no Engov, acredite."

12 de dezembro de 2011

Algumas informações sobre o Universo

Área

Infinita.

Importações

Nenhuma.

É impossível importar coisas para uma área infinita, pois não há exterior de onde importar as coisas.

Exportações

Nenhuma.

Vide Importações.

População

Nenhuma.

É fato conhecido que há um número infinito de mundos, simplesmente porque há espaço infinito para que esses mundos existam. Todavia, nem todos são habitados. Assim, deve haver um número finito de mundos habitados. Qualquer número finito dividido por infinito é tão perto de zero que não faz diferença, de forma que a população de todos os planetas do Universo pode ser considerada igual a zero. Disso podemos deduzir que a população de todo o Universo também é zero, e que quaisquer pessoas que você possa encontrar de vez em quando são meramente produtos de uma imaginação perturbada.

Unidades Monetárias

Nenhuma.

Na realidade há três moedas correntes na Galáxia, mas nenhuma delas conta. O Dólar Altairense entrou em colapso recentemente, a Baga Flainiana só pode ser trocada por outras Bagas Flainianas e o Pu Trigânico tem problemas próprios e muito específicos. Sua atual taxa de câmbio de oito Ningis por cada Pu é bastante simples, mas como cada Ningi é uma moeda triangular de borracha de 10.900 quilômetros em cada lado, ninguém jamais as juntou em número suficiente para possuir um Pu. Ningis não são moedas negociáveis, porque os Galactibancos recusam-se a lidar com trocados. Partindo-se dessa premissa básica, é simples provar que os Galactibancos também são produto de uma imaginação perturbada.

Arte

Nenhuma.

A função da arte é espelhar a natureza, e basicamente não existe um espelho que seja grande o bastante.

Vide Área.

Sexo

Nenhum.

Bem, para dizer a verdade isso acontece bastante, em grande parte devido à total falta de dinheiro, comércio, bancos, arte ou qualquer outra coisa que pudesse manter ocupadas todas as pessoas não-existentes do Universo.

Contudo, não vale a pena entrar numa longa discussão sobre o assunto porque ele de fato é incrivelmente complicado. Para maiores informações veja os verbetes temáticos do Guia e alguns outros inclusive. Na verdade, veja quase todo o resto do Guia.


(Retirado do "Guia do Mochileiro das Galáxias")

Sobre a amizade entre homem e mulher

Dois diálogos do filme When Harry Met Sally (Feitos Um Para o Outro - 1989) explicam bem a dinâmica dessa situação.



Harry Burns: You realize of course that we could never be friends.
Sally Albright: Why not?
HB: What I'm saying is - and this is not a come-on in any way, shape or form - is that men and women can't be friends because the sex part always gets in the way.
SA: That's not true. I have a number of men friends and there is no sex involved.
HB: No you don't.
SA: Yes I do.
HB: No you don't.
SA: Yes I do.
HB: You only think you do.
SA: You say I'm having sex with these men without my knowledge?
HB: No, what I'm saying is they all WANT to have sex with you.
SA: They do not.
HB: Do too.
SA: They do not.
HB: Do too.
SA: How do you know?
HB: Because no man can be friends with a woman that he finds attractive. He always wants to have sex with her.
SA: So, you're saying that a man can be friends with a woman he finds unattractive?
HB: No. You pretty much want to nail 'em too.
SA: What if THEY don't want to have sex with YOU?
HB: Doesn't matter because the sex thing is already out there so the friendship is ultimately doomed and that is the end of the story.
SA: Well, I guess we're not going to be friends then.
HB: I guess not.
SA: That's too bad. You were the only person I knew in New York.


E o próximo, quando se encontram cinco anos depois do primeiro.


HB: Would you like to have dinner?... Just friends.
SA: I thought you didn't believe men and women could be friends.
HB: When did I say that?
SA: On the ride to New York.
HB: No, no, no, I never said that... Yes, that's right, they can't be friends. Unless both of them are involved with other people, then they can... This is an amendment to the earlier rule. If the two people are in relationships, the pressure of possible involvement is lifted... That doesn't work either, because what happens then is, the person you're involved with can't understand why you need to be friends with the person you're just friends with. Like it means something is missing from the relationship and why do you have to go outside to get it? And when you say "No, no, no it's not true, nothing is missing from the relationship," the person you're involved with then accuses you of being secretly attracted to the person you're just friends with, which you probably are. I mean, come on, who the hell are we kidding, let's face it. Which brings us back to the earlier rule before the amendment, which is men and women can't be friends.


Como brinde, uma das melhores cenas do filme.